Temer monta operação com Aguinaldo para salvar reforma previdenciária, Efraim é contra a idade mínima de 65

Com elevado risco de ser derrotado na votação da emenda da reforma da Previdência que está tramitando na Câmara, o presidente Michel Temer, ministros que representam vários partidos da aliança governista e líderes da base de apoio parlamentar tentam evitar debandada de deputados aliados que rejeitam a proposta de alteração nos critérios das aposentadorias. Temer convocou reunião de emergência neste domingo (9), na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e pediu ao deputado paraibano Aguinaldo Ribeiro (PP) líder de seu Governo na Câmara para que articule junto a partidos aliados para que fechem questão para impor os votos a favor de legendas que o apoiam e punir os dissidentes.

A reunião de emergência foi convocada pelo presidente depois que um dos mais influentes deputados do Democratas, Onyx Lorenzoni (RS), concedeu entrevista ao Congresso em Foco. Publicado neste sábado (8), o material exibe um posicionamento até então desconhecido do deputado, com ataques ao governo Temer e garantindo que a reforma previdenciária proposta pelo presidente será inteiramente rejeitada pela Câmara. Onyx já vinha fazendo críticas a partes da emenda, mas agora optou pela crítica integral ao texto e se alinhou a partidos de oposição, que rejeitam inteiramente as mudanças propostas pelo governo.

Um dos mais ativos articuladores do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e aliado de Temer, Onyx disse que o governo pratica “terrorismo fiscal” para promover ajustes e que o Planalto “perdeu a guerra da comunicação” neste assunto. No desabafo, o deputado acrescentou que o governo não tem força política para aprovar qualquer reforma estruturante por carecer de legitimidade. O parlamentar disse ainda que Temer repete os erros de Dilma e defende que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) casse a chapa Dilma-Temer por abuso de poder econômico nas eleições de 2014.

Efeito dominó

Os governistas sabem que as críticas de Onyx não são isoladas. Outros deputados do DEM também rejeitam parte da emenda, entre eles o líder do DEM, Efrain Filho (PI), que não admite votar a favor da idade mínima de 65 anos para o trabalhador rural poder se aposentar. Com 29 deputados, o DEM não é a única legenda governista com elevada dissidência nesse tema. O partido indicou o deputado Mendonça Filho para o Ministério da Educação.

A crise provocada pelas declarações do deputado gaúcho provocou a convocação de reuniões de bancadas governistas. Mobilizaram suas tropas os líderes do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e do líder da Maioria na casa, Lelo Coimbra (PMDB-ES), nesta segunda-feira para tentar forçar que as direções partidárias e os líderes de bancadas obriguem os deputados a votar a favor da emenda. “Agora teremos que carimbar o deputado que apoia o governo e os que vão nos trair”, disse o deputado Darcisio Perondi (PMDB-RS) que acusou Onyx de traição por suas posições contrárias à reforma da Previdência.

PB Agora com Congresso em Foco

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *