Servidor pode escolher agência da conta-salário também pela Central de Atendimento

Encerra nesta quarta-feira (18) o prazo para que os servidores estaduais escolham a agência do Bradesco onde querem ter sua conta-salário. Além do link paraiba.bradesco, os servidores também podem fazer a opção ligando para a Central de Atendimento do banco, pelo telefone 3003-0330 (regiões metropolitanas) ou 0800 208 0330 (demais regiões). O Governo do Estado também colocou um banner na parte superior do portal www.paraiba.pb.gov.br parafacilitar o acesso.

Quem quiser fazer a escolha da agência para ter sua conta-salário pelo telefone, basta ligar para a Central de Atendimento que os próprios atendentes ajudarão o servidor fazendo o processo com base nas informações fornecidas.

Quem quiser fazer no próprio site, basta seguir na tela os procedimentos: inserir dados pessoais; selecionar a secretaria ou autarquia onde trabalha; informar o endereço para buscar os pontos de atendimento mais próximos e selecionar a melhor opção de agência. Caso o servidor não escolha a agência de sua preferência até esta quarta-feira, automaticamente o banco coloca ele na agência mais próxima da repartição onde trabalha.

De acordo com a Assessoria de Imprensa do Bradesco, a partir do dia 23, o banco vai informar o local onde o servidor deverá comparecer munido dos documentos para abertura da conta (RG, CPF, contracheque e comprovante de residência).

Central de Atendimento exclusiva para os Servidores do Governo do Estado da Paraíba

· 3003-0330 (regiões metropolitanas) ou 0800 208 0330 (demais regiões).

· A ligação é gratuita.

· Atendimento de segunda a domingo (inclusive feriados), das 8h às 21h

Encerra nesta quarta-feira (18) o prazo para que os servidores estaduais escolham a agência do Bradesco onde querem ter sua conta-salário. Além do link paraiba.bradesco, os servidores também podem fazer a opção ligando para a Central de Atendimento do banco, pelo telefone 3003-0330 (regiões metropolitanas) ou 0800 208 0330 (demais regiões). O Governo do Estado também colocou um banner na parte superior do portal www.paraiba.pb.gov.br parafacilitar o acesso.

Quem quiser fazer a escolha da agência para ter sua conta-salário pelo telefone, basta ligar para a Central de Atendimento que os próprios atendentes ajudarão o servidor fazendo o processo com base nas informações fornecidas.

Quem quiser fazer no próprio site, basta seguir na tela os procedimentos: inserir dados pessoais; selecionar a secretaria ou autarquia onde trabalha; informar o endereço para buscar os pontos de atendimento mais próximos e selecionar a melhor opção de agência. Caso o servidor não escolha a agência de sua preferência até esta quarta-feira, automaticamente o banco coloca ele na agência mais próxima da repartição onde trabalha.

De acordo com a Assessoria de Imprensa do Bradesco, a partir do dia 23, o banco vai informar o local onde o servidor deverá comparecer munido dos documentos para abertura da conta (RG, CPF, contracheque e comprovante de residência).

Central de Atendimento exclusiva para os Servidores do Governo do Estado da Paraíba

· 3003-0330 (regiões metropolitanas) ou 0800 208 0330 (demais regiões).

· A ligação é gratuita.

· Atendimento de segunda a domingo (inclusive feriados), das 8h às 21h

Secom-PB

Sete concursos públicos na Paraíba oferecem 92 vagas com salários de até R$ 19 mil

Os meses de setembro e outubro oferecem novas oportunidades de empregos na Paraíba em concursos que somam 92 vagas, e salários que variam de R$ 937,00 até R$ 19.440,48. Cinco universidades federais e duas prefeituras estão com inscrições, sendo que a maior oferta salarial é da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) que objetiva preencher uma vaga na função de Professor Titular-Livre na área de Fonoaudiologia; enquanto que a Prefeitura Municipal de Prata oferece o maior número de vagas, 78, distribuídas em diversas funções.

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) inscreve até o dia 6 de outubro para o concurso público regido pelo edital nº 20/2017 de provas e títulos. Há uma vaga e formação de cadastro reserva no Magistério de Ensino Superior, com lotação no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde do Campus de Campina Grande na área de Oncologia.

O cargo exigirá graduação em Medicina e Residência Médica em Oncologia ou título de especialista na mesma área. O salário inicial será de R$ 2.425,37, por carga horária semanal de 20 horas. As inscrições podem ser realizadas pessoalmente ou por procuração, com firma reconhecida, no período das 8h às 12h e das 14h às 17h, em dias úteis, de segunda a sexta-feira, no Protocolo Geral da UFCG, situado à Rua Aprígio Veloso, 882, Bairro Universitário, Campina Grande-PB. O valor da taxa de inscrição é de R$ 75,00.

Até o dia 4 de outubro próximo, a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), realiza inscrições para o preenchimento de uma vaga na função de professor adjunto em cargo que exige graduação, além de titulação em nível ou doutor. A vaga é para o campus de João Pessoa na disciplina de História da Arte.

O salário do professor adjunto é de R$ 9.585,67 e a inscrição está sendo feita no Centro de Comunicação, Turismo e Artes, no Campus Universitário I, Jardim Cidade Universitária, João Pessoa.

A UFPB inscreve até o dia 3 de outubro para concurso público que irá preencher quatro vagas em cargo de Professor da Carreira do Magistério Superior. A função exige graduação na área de atuação, mais titulação em nível de doutorado para área de Enfermagem Generalista e tem salários que variam entre R$ 4.455,22 e R$ 9.585,67. A inscrição pode ser feita nos departamentos acadêmicos responsáveis pela realização do concurso, nos endereços comunicados no edital.

Até o próximo dia 29 a UFPB realiza inscrições para concurso público que objetiva preencher uma vaga na função de Professor Titular-Livre na área de Fonoaudiologia. O cargo exige graduação na área de atuação e dez anos de experiência ou de obtenção do título de doutor, ambos na área de conhecimento exigida no concurso. O salário da função é de R$ 19.440,48 e as inscrições devem ser feita das 8h às 17h, na Secretaria do Departamento de Fonoaudiologia, Campus Universitário I, em João Pessoa.

Já a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) inscreve até o próximo dia 26 para novo concurso destinado ao preenchimento de três vagas na carreira de professor superior para lotação no campus de Sousa-PB nas áreas de Contabilidade e Administração.

Podem se inscrever no certame candidatos que tenham, além de graduação na respectiva área de atuação, titulação em nível de mestrado ou doutorado e o salário inicial vai de R$ 2.845,51 a R$ 3.377,45 e as inscrições podem ser realizadas pessoalmente ou por procuração no período das 8h às 12h e das 14h às 18h, em dias úteis, de segunda a sexta- feira, no Protocolo Setorial do CCJS, situado à Rodovia Antonio Mariz, s/n, BR-230, Km 466,5, sítio Fazenda Cesário, Sousa.

PB Agora

Dnit já registrou na BR-230 e BR-101, 17.290 infrações de trânsito, só este na Paraíba

Desde que o DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes começou a aplicar multas por excesso de velocidade nas rodovias federais, se iniciou a discussão quanto a sua competência para tanto. Isto porque, sendo a competência um dos elementos dos atos administrativos, sua ausência acarretaria na nulidade dos autos de infrações lavrados pela citada autarquia, extinguindo a punibilidade decorrente dos mesmos.

Ocorre que, tal entendimento não era aplicado no âmbito administrativo, de forma que a população recorria ao judiciário para tal discussão. Os radares instalados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), na BR-230 e BR-101, que cortam a Grande João Pessoa, detectaram no ano de 2016 pelo menos 28.550 infrações nessas rodovias federais. Já em 2017, até o mês de agosto, foram registradas 17.290 infrações de trânsito, o que aponta para uma possível diminuição do número de infrações este ano, pois só restam ser contabilizados mais quatro meses.

Segundo dados do DNIT, verifica-se que o equipamento que captou mais infrações é o de código PBR00014100, localizado no Km 16,340 da BR-230. Ainda de acordo com o DNIT, o número de recursos julgados na Paraíba pelo JARI/PB em 2016 foi de 1.195, enquanto que em 2017 já foram julgados 1.887 recursos de pessoas que recorreram das multas recebidas.

O prazo para interpor a Defesa de Autuação será aquele constate na própria Notificação de Autuação, que nunca será inferior a 15 dias da sua notificação, quer dizer, da data em que o infrator recebe a notificação da autuação em seu endereço. O prazo para interpor o Recurso será aquele constante na Notificação de Penalidade para recolhimento de seu valor, que não será inferior a 30 dias contados da data da notificação, isto quer dizer, da data em que o infrator recebeu a Notificação de Penalidade em seu domicílio. Portanto, os prazos para Defesa da Autuação e/ou Recurso constarão nas Notificações de Autuação e Penalidade.

Multas – Quem ultrapassar até 20% da velocidade permitida sofrerá multa de R$ 87,13 e quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Mais de 20% vai configurar em infração grave, com multa de R$ 127,79 e cinco pontos na CNH. Acima de 50% chega ao nível de infração gravíssima, com multa de R$ 574,72 e sete pontos na carteira.

Há três categorias de multas por excesso de velocidade: média, grave e gravíssima. Média, motoristas que transitam com velocidade até 20% superior à permitida na via e trata-se no valor de R$ 130,16, com perda de 3 pontos na CNH. Grave é formada por motoristas infratores que trafegam com velocidade superior a 20% da máxima permitida, e tem como penalidade a perda de 5 pontos na carteira e multa de R$ 195,23. E gravíssima é destinada a motoristas que ultrapassam 50% da velocidade máxima permitida na via. Quem se enquadra nessa categoria necessita pagar R$ 880,40 e além de perder 7 pontos, corre o risco de ter a CNH suspensa.

PB Agora

Dados da Polícia mostram que quase duas lojas foram roubadas por dia, em agosto, no Brejo da Paraíba

Os números do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop) assustam. A onda de assaltos e arrombamentos em comércios do Brejo paraibano, cresceu. Os dados da Polícia apontam que quase dois comércios são violados por dia. A cidade Campina Grande lidera o ranking dos municípios com mais casos, tendo 26 ocorrências no período.

O alvo dos bandidos são farmácias, postos de combustíveis, lojas, entre outros estabelecimentos.

Além de Campina Grande, o Ciop registrou casos de arrombamentos e assaltos a estabelecimentos comerciais foram Guarabira, Esperança, Pocinhos, Pilões, Queimadas, Matinhas, Barra de Santana, Remígio, Serra da Raiz, Araçagi, Cuité e Puxinanã.

No dia 8 de agosto, por exemplo, uma loja de eletrodomésticos no Centro de Campina Grande foi assaltada pela 8ª vez neste ano.

O maior número de registros feito pela Polícia Militar foi entre os dias 7 e 8 de agosto, no qual foram atendidas quatro ocorrências de arrombamento ou assalto a estabelecimentos comerciais, sendo duas em Campina Grande, uma em Guarabira e outra na cidade de Serra da Raiz.

PB Agora

Conta de energia elétrica fica 14,55% mais cara a partir do dia 28 na Paraíba

A conta da energia elétrica vai ficar 14,55%, em média, mais cara a partir do dia 28 deste mês para os consumidores paraibanos. O valor  para o  residencial autorizado pela Aneel ficou em torno de 13,94%. Já para o segmento empresarial ou de alta tensão preço é superior: 16,38%.

Os principais motivos para a correção da tarifa neste 4º ciclo da Revisão Periódica da Energisa Paraíba são a aquisição de energia e o pagamento de indenizações às transmissoras como determinado pelo governo federal. Os dois itens compõem a PARCELA A, que são os custos não gerenciáveis pela distribuidora, e correspondem a 10,3%, ou seja 70% do índice autorizado pela Aneel.

 A ilustração abaixo apresenta a divisão da fatura de energia elétrica em cada um dos itens que compõem a cadeia do setor, considerando a receita da concessionária acrescida dos impostos e tributos (ICMS, PIS/COFINS). A tarifa final do consumidor da Energisa Paraíba contém 39,02% de encargos e impostos.

A parte que cabe à distribuidora de energia representa apenas 26,39% da composição da tarifa. É com essa parcela que empresa distribui energia a todos os clientes, paga e capacita  funcionários, mantém e amplia a rede e os sistemas elétricos, além de investir na modernização e melhoria crescente da qualidade dos serviços prestados. Nos últimos quatro anos, a Energisa Paraíba investiu cerca de R$ 600 milhões em obras e manutenção do sistema elétrico. Foram construídas três subestações, ampliadas outras sete, além da construção de 84 km de linhas de distribuição de alta tensão.

A Revisão Tarifária Periódica é um processo regulado pela Aneel, prevista no contrato de concessão da empresa que apresenta regras bem definidas a respeito das contas de luz, assim como a metodologia de cálculo dos processos tarifários. Pela norma, o valor da tarifa é reajustado anualmente – o chamado Reajuste Tarifário Anual – e a cada quatro anos, no processo de Revisão Tarifária Periódica.

Comparando os ajustes na tarifa da Energisa Paraíba com a inflação do período, verifica-se que eles sempre estiveram abaixo dos índices. Confira:

A Energisa Paraíba é responsável pela distribuição de energia a 216 municípios do estado, totalizando 1,39 milhão de unidades. Em 2017, a empresa foi considerada a melhor empresa de distribuidora de energia do Brasil pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee). A pesquisa apura também a satisfação dos mais de 4 milhões de paraibanos sobre o serviço prestado e, na opinião de 83,8% de seus clientes, a empresa presta um excelente serviço de distribuição de energia (Índice Satisfação da Qualidade Percebida – ISQP).

Foto: Walla Santos
Clickpb

117 municípios da PB não implantaram política de resíduos sólidos, aponta MP

Um levantamento que está sendo realizado pelo Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente do Ministério Público da Paraíba (Caop Meio Ambiente), junto com os municípios do Estado da Paraíba, revela que 117 das 223 cidades paraibanas não cumpriram a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), aprovada pela Lei Federal nº 12.305/10, em 2010, a qual institui ferramentas que impedem a deposição inadequada dos resíduos sólidos (lixo orgânico/doméstico/industrial) a partir de atividades humanas, no meio ambiente.O prazo estipulado inicialmente, para que os governos municipais acabassem com os lixões, era até agosto de 2014.
Dos 223 municípios paraibanos, 185 (83%) responderam ao questionário enviado no início deste mês pelo Caop do Meio Ambiente, e, desse total, apenas 13 (7,03%) afirmam ter implantado a PNRS em sua totalidade; 55 (29,73%) implantaram parcialmente; enquanto que 63% dos municípios afirmam não ter implantado as medidas necessárias.
O levantamento aponta também que 73% dos municípios que responderam ainda depositam o lixo de forma inadequada e pouco mais de 23% depositam em aterros sanitários. Cerca de 38 (17%) municípios ainda não responderam o questionário. “O levantamento dará um panorama geral do Estado no que se refere à questão dos resíduos sólidos, considerando que o Caop já encaminhou o manual de atuação para os promotores do meio ambiente para que tomem as providências cabíveis”, ressalta a promotora de Justiça e coordenadora do Caop do Meio Ambiente, Cláudia Cabral Cavalcante.
A PNRS prevê o planejamento adequado por município contemplando desde inventário de resíduos gerados, implantação de coleta seletiva, inclusão social dos catadores de materiais recicláveis, sistema de logística reversa, encerramento dos lixões, e deposição de rejeitos em aterros sanitários.

Parlamentopb

Procon-PB orienta consumidores sobre lei da venda casada de passagens

A Autarquia de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-PB) orienta aos consumidores que agora é lei a proibição da venda casada em bilhetes de passagens rodoviárias, esclarecendo que o passageiro não é obrigado a pagar pelo seguro.
A superintendente do Procon, Késsia Liliana, explicou que muitas vezes o passageiro não é informado do seguro e acaba realizando um pagamento indevido. “A Lei 10.951 de 18 de julho de 2017 agora é clara ao prever que o respectivo seguro só poderá ser cobrado se o passageiro depois de informado devidamente fizer a opção de pagar o seguro”, observou.
As empresas de transportes rodoviários que operam no Estado estão obrigadas a afixar em cada guichê de vendas uma placa informativa com 10 centímetros, dispondo sobre a facultatividade do pagamento do seguro.  A Lei determina que o funcionário da empresa deve, no ato de cada compra, informar diretamente ao usuário que é facultado o pagamento do seguro.
Ainda de acordo com a lei, a empresa de transporte que não cumprir a determinação vai pagar uma multa no valor de 250 UFR-PB, que poderá ser dobrada em caso de reincidência.
Késsia Liliana disse que a fiscalização do Procon-PB estará diligente para atender denúncias e atuar sobre o rigor da lei. Em casos de dúvidas, denúncias, sugestões os consumidores podem ligar para o número 151.
Parlamentopb