Queiroz tinha ‘agenda’ com contatos para ajudá-lo em prisão, aponta investigação

single-image

investigação
está ‘vetada em qualquer hipótese’ a custódia do ex-assessor de Flávio Em sua decisão, juiz da 27ª Criminal do Rio diz que Bolsonaro no BEP. Ele foi levado para Bangu 8, onde permanecerá isolado por 14 dias seguindo protocolo de prevenção à Covid-19.
Por Arthur Guimarães e Marcelo Gomes, TV Globo e GloboNews
Investigação aponta que Fabrício Queiroz pagou escola das filhas de Flavio Bolsonaro
Investigadores afirmam que Fabrício Queiroz não está preso no Batalhão Especial Prisional (BEP) porque ele tinha “uma caderneta com anotações manuscritas sobre pessoas que supostamente poderiam ajudá-lo caso fosse preso no batalhão prisional da Polícia Militar”.
“(…) determina à Secretaria de Administração Penitenciária – SEAP, que encaminhe o referido investigado para uma unidade prisional compatível com a sua segurança e o rigor da medida preventiva, preferencialmente no Complexo de Gericinó, em Bangu, estando vetada em qualquer hipótese sua custódia no Batalhão Especial Prisional – BEP”.
O ex-assessor e ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi preso em Atibaia, interior de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (18). Ele foi localizado em um imóvel de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro, e transferido à tarde para o Rio, onde permanece preso em Bangu 8. Ele ficará isolado por 14 dias, seguindo o protocolo de prevenção da Covid-19.
Influência com milicianos e vida ‘saudável’
Na decisão que autorizou a prisão de Queiroz, o juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal cita a sua a influência com milicianos no Rio, repasses de ex-assessores para conta de Queiroz no valor de R$ 2.039.656,52 e saques na conta do investigado que totalizam quase R$ 3 milhões.
Os promotores do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção destacam também que, durante a investigação, fotografias e mensagens de texto demonstraram que, apesar de Fabrício Queiroz alegar não poder depor por suposta indicação médica, ele levava uma vida ativa, aparentando estar bastante saudável, chegando a consumir bebidas alcoólicas e churrasco.
• Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, é preso em Atibaia, SP
• Caseiro disse à polícia que Queiroz estava na casa havia 1 ano
• MP viu indícios de que Queiroz continuou a cometer crimes
• Juiz cita influência de Queiroz com milicianos na decisão
• Entenda as investigações sobre a rachadinha
• Da amizade nos anos 80 ao ‘Cadê o Queiroz?’; cronologia
• ‘Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro’, diz Flávio
• Quem é o advogado Frederick Wassef, dono da casa onde Fabrício Queiroz foi preso
• Mais de R$ 100 mil em pagamentos de plano de saúde de Flávio Bolsonaro foram feitos em dinheiro, diz MP
• MP suspeita da origem de R$ 261 mil pagos em dinheiro a escolas e plano de saúde da família de Flávio Bolsonaro
• Queiroz ‘levava vida confortável e ativa’ e fazia até churrasco na casa de Atibaia, diz MP
Pagamento de escolas e planos de saúde
Outra suspeita do Ministério Público do Rio de Janeiro é sobre R$ 261 mil pagos em dinheiro por mensalidades escolares e plano de saúde das filhas de Flávio Bolsonaro.
Segundo a documento, ao qual a TV Globo teve acesso, foram 116 boletos quitados em espécie.
Ao menos dois desses boletos, de mensalidades de um colégio no Rio, foram comprovadamente pagos por Queiroz, segundo o MP.

Câmera de segurança de banco dentro da Alerj registrou, em 1º de outubro de 2018, às 10h21, Queiroz fazendo pagamentos em dinheiro de dois títulos bancários — Foto: Reprodução/TV Globo
O ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa (Alerj) quitou duas mensalidades, de R$ 3.382,27 e R$ 3.560,28, em 1º de outubro de 2018, segundo fotos e dados incluídos no processo.
Ao cruzar dados e imagens de câmeras de segurança de agência bancária de dentro da Alerj, o MPRJ concluiu que Fabrício Queiroz fez esses dois pagamentos.
Queiroz foi assessor do hoje senador Flávio quando ele era deputado estadual e teve a prisão preventiva decretada por suspeita de participação em um esquema esquema de “rachadinha”.
Segundo a investigação, funcionários de Flávio devolviam parte do salário, e o dinheiro era lavado por meio de uma loja de chocolate e através do investimento em imóveis.
O pagamento das mensalidades seria mais um indício de que a arrecadação do salário dos servidores do gabinete chegava de volta para o parlamentar, um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro.
“A análise de suas atividades bancárias permitiu ao Gaecc/MPRJ comprovar que Fabrício Queiroz também transferia parte dos recursos ilícitos desviados da Alerj diretamente ao patrimônio familiar do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, mediante depósitos bancários e pagamentos de despesas pessoais do parlamentar e de sua família”, diz trecho da decisão .
Os investigadores acreditam que Queiroz era uma espécie de operador financeiro de Flávio Bolsonaro, que seria o líder da organização criminosa.
“As movimentações bancárias atípicas e o contexto temporal nas quais foram realizadas resultam em evidências contundentes da função exercida por Fabrício Queiroz como operador financeiro na divisão de tarefas da organização criminosa investigada, tanto na arrecadação dos valores desviados da Alerj quanto na transferência de parte do produto dos crimes de peculato ao patrimônio familiar do líder do grupo, o então deputado estadual Flávio Nantes Bolsonaro”, diz trecho do pedido do MP.
Queiroz é amigo da família Bolsonaro desde a década de 80 e e foi chefe de gabinete de Flávio na Alerj. Ele trabalhou com o então deputado até ser exonerado em outubro de 2018, época da eleição presidencial de Jair Bolsonaro.
Movimentação de R$ 1,2 milhão em 2016 e 2017
Caso Queiroz: MP descobriu depósitos de quase R$ 3 milhões na conta do ex-assessor
O procedimento investigatório criminal do Ministério Público Estadual do RJ que apura as irregularidades envolvendo Queiroz na Alerj chegou a ser suspenso por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, após pedidos de Flávio Bolsonaro em 2019.
As investigações envolvem um relatório do Coaf, que apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Alerj. Recursos usados para pagar funcionários na Alerj voltavam para os próprios deputados estaduais.
A movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz ocorreu, segundo as investigações, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, incluindo depósitos e saques.

Fonte: G1 e ovalenews