“Ninguém acredita no que ele fala”, diz Lula ao criticar Temer

Durante a sua passagem por mais um Estado nordestino, na viagem de 20 dias que faz pela região, o ex-presidente Lula falou sobre sua disposição em ouvir a população e disse que poucos políticos teriam a coragem de encarar uma caravana desse tipo.
Em entrevista a uma rádio no município de Currais Novos, no Rio Grande do Norte, ele também falou sobre a conjuntura política nacional e destacou que o povo brasileiro não é bobo.
“O fato de o governo estar em uma situação muito delicada do ponto de vista das pesquisas de opinião pública demonstra que o povo está acompanhando e sabe o que está acontecendo e o que não está acontecendo no Brasil”.
Lula voltou a atacar o presidente Michel Temer, ao destacar que a população não confia no governo do peemedebista. “No Brasil, o governo não tem credibilidade. Ninguém acredita no que ele fala, tem só 5% de aprovação”.
Notícias ao Minuto

Wilson Filho pede ao presidente do Banco do Brasil que reabra agências na Paraíba

O deputado federal Wilson Filho (PTB) se reuniu com o presidente do Banco do Brasil,Paulo Caffarelli, na noite da última terça-feira (29). Na pauta, a reabertura das agências dos municípios paraibanos de Queimadas, Pocinhos, Aroeiras, Umbuzeiro, Cabaceiras, Bonito de Santa Fé, Jacaraú, Sumé, Serra Branca e Boqueirão. Ele esteve acompanhado do diretor de Relações Institucionais do Banco, Wilson Santiago; do deputado estadual, Doda de Tião; e de vereadores de Queimadas.

“A população dessas cidades sofre com a falta dos serviços bancários nessas localidades. Desde que as agências foram fechadas, após as explosões e assaltos, que não foram reabertas. Os moradores viraram reféns da violência e foram privados do direito de ter uma agência bancária em suas cidades. Viemos reforçar o apelo, com presidente do Banco do Brasil para que as agências sejam reinstaladas”, explicou.

Na reunião, os deputados e os vereadores de Queimadas entregaram ao presidente do Banco um abaixo-assinado com cerca de 1.500 assinaturas dos moradores do município. “Essas assinaturas mostram que a cidade está mobilizada pelo retorno da agência. Muitas pessoas com dificuldade de locomoção, comerciantes e usuários em geral, sentem todos os dias os problemas da falta que essa agência causa”, relatou Wilson Filho.

PB Agora

Dnit já registrou na BR-230 e BR-101, 17.290 infrações de trânsito, só este na Paraíba

Desde que o DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes começou a aplicar multas por excesso de velocidade nas rodovias federais, se iniciou a discussão quanto a sua competência para tanto. Isto porque, sendo a competência um dos elementos dos atos administrativos, sua ausência acarretaria na nulidade dos autos de infrações lavrados pela citada autarquia, extinguindo a punibilidade decorrente dos mesmos.

Ocorre que, tal entendimento não era aplicado no âmbito administrativo, de forma que a população recorria ao judiciário para tal discussão. Os radares instalados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), na BR-230 e BR-101, que cortam a Grande João Pessoa, detectaram no ano de 2016 pelo menos 28.550 infrações nessas rodovias federais. Já em 2017, até o mês de agosto, foram registradas 17.290 infrações de trânsito, o que aponta para uma possível diminuição do número de infrações este ano, pois só restam ser contabilizados mais quatro meses.

Segundo dados do DNIT, verifica-se que o equipamento que captou mais infrações é o de código PBR00014100, localizado no Km 16,340 da BR-230. Ainda de acordo com o DNIT, o número de recursos julgados na Paraíba pelo JARI/PB em 2016 foi de 1.195, enquanto que em 2017 já foram julgados 1.887 recursos de pessoas que recorreram das multas recebidas.

O prazo para interpor a Defesa de Autuação será aquele constate na própria Notificação de Autuação, que nunca será inferior a 15 dias da sua notificação, quer dizer, da data em que o infrator recebe a notificação da autuação em seu endereço. O prazo para interpor o Recurso será aquele constante na Notificação de Penalidade para recolhimento de seu valor, que não será inferior a 30 dias contados da data da notificação, isto quer dizer, da data em que o infrator recebeu a Notificação de Penalidade em seu domicílio. Portanto, os prazos para Defesa da Autuação e/ou Recurso constarão nas Notificações de Autuação e Penalidade.

Multas – Quem ultrapassar até 20% da velocidade permitida sofrerá multa de R$ 87,13 e quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Mais de 20% vai configurar em infração grave, com multa de R$ 127,79 e cinco pontos na CNH. Acima de 50% chega ao nível de infração gravíssima, com multa de R$ 574,72 e sete pontos na carteira.

Há três categorias de multas por excesso de velocidade: média, grave e gravíssima. Média, motoristas que transitam com velocidade até 20% superior à permitida na via e trata-se no valor de R$ 130,16, com perda de 3 pontos na CNH. Grave é formada por motoristas infratores que trafegam com velocidade superior a 20% da máxima permitida, e tem como penalidade a perda de 5 pontos na carteira e multa de R$ 195,23. E gravíssima é destinada a motoristas que ultrapassam 50% da velocidade máxima permitida na via. Quem se enquadra nessa categoria necessita pagar R$ 880,40 e além de perder 7 pontos, corre o risco de ter a CNH suspensa.

PB Agora

Líderes paraibanos do PMDB e PT no Senado se posicionam contra fundo público eleitoral

O líder do PMDB no Senado, Raimundo Lira (PB), afirmou que é contra a criação de qualquer fundo público eleitoral de campanha. Ele declarou que concorda com o fim dos programas eleitorais, mas que este dinheiro deveria ser devolvido no Tesouro Nacional. Lira ponderou que a bancada peemedebista só discutirá o assunto após a Câmara deliberar sobre outra proposta de fundo eleitoral, com recursos do orçamento, estimado em cerca de R$ 3,6 bilhões.

“Não tem nenhuma justificativa criar fundo desse enquanto o Brasil está passando por uma crise econômica, em um momento que falta dinheiro para segurança, saúde, educação, para tudo, e você criar um fundo desses, então o Brasil precisa aprender a fazer eleições baratas como existem em outros países”, declarou o peemedebista.

Pelo texto de Caiado, fica estabelecido que os recursos do fundo eleitoral viriam do dinheiro que o governo repassa a emissoras de rádio e televisão por transmitirem os programas eleitorais e de multas aplicadas às legendas. Desta forma, os programas seriam exibidos apenas na TV e rádio públicas, a menos que as legendas comprem espaço nos veículos privados de comunicação.

O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), afirmou que a sigla é contra a proposta de Caiado por considerar que vai favorecer candidatos que tiverem mais dinheiro. “Essa proposta é um absurdo. É coisa de quem quer fazer média com a (Rede) Globo. Acabar com horário eleitoral gratuito e falar em compra de espaço nas TVs só vai favorecer candidatos com grande poder econômico”, declarou o petista.

Apoio

O presidente licenciado do PSDB, senador Aécio Neves (MG), anunciou hoje que o partido fechou questão em torno da proposta de Caiado. Aécio explicou que a decisão leva em conta o fato de não haver tempo hábil para se formular uma nova proposta para a volta das doações privadas.

“Vamos apoiar proposta apresentada pelo Caiado, que estabelece o fundo eleitoral que será alimentado pelos recursos da compensação que os meios de comunicação recebem em razão do tempo disponibilizado pelos programas partidários. Acabaríamos com programas partidários, esses que acontecem fora do cenário eleitoral, e essa compensação, falou-se em R$ 2 bilhões, não há um número exato, poderia sim alimentar o fundo eleitoral, sem que haja necessidade de recursos orçamentários para isso”, afirmou o tucano.

No mesmo dia, a relatoria da nova proposta foi sorteada para o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), que pretende apresentar parecer favorável à matéria na próxima terça-feira, 29, para que a votação ocorra no mesmo dia. “Nosso relatório já está praticamente concluído, é um projeto simples, mas é possível que até terça a gente venha a fazer pequenas correções, mas em regra geral o projeto me atende”, declarou Ataídes.

PB Agora com Correio Braziliense

Dados da Polícia mostram que quase duas lojas foram roubadas por dia, em agosto, no Brejo da Paraíba

Os números do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop) assustam. A onda de assaltos e arrombamentos em comércios do Brejo paraibano, cresceu. Os dados da Polícia apontam que quase dois comércios são violados por dia. A cidade Campina Grande lidera o ranking dos municípios com mais casos, tendo 26 ocorrências no período.

O alvo dos bandidos são farmácias, postos de combustíveis, lojas, entre outros estabelecimentos.

Além de Campina Grande, o Ciop registrou casos de arrombamentos e assaltos a estabelecimentos comerciais foram Guarabira, Esperança, Pocinhos, Pilões, Queimadas, Matinhas, Barra de Santana, Remígio, Serra da Raiz, Araçagi, Cuité e Puxinanã.

No dia 8 de agosto, por exemplo, uma loja de eletrodomésticos no Centro de Campina Grande foi assaltada pela 8ª vez neste ano.

O maior número de registros feito pela Polícia Militar foi entre os dias 7 e 8 de agosto, no qual foram atendidas quatro ocorrências de arrombamento ou assalto a estabelecimentos comerciais, sendo duas em Campina Grande, uma em Guarabira e outra na cidade de Serra da Raiz.

PB Agora

Conta de energia elétrica fica 14,55% mais cara a partir do dia 28 na Paraíba

A conta da energia elétrica vai ficar 14,55%, em média, mais cara a partir do dia 28 deste mês para os consumidores paraibanos. O valor  para o  residencial autorizado pela Aneel ficou em torno de 13,94%. Já para o segmento empresarial ou de alta tensão preço é superior: 16,38%.

Os principais motivos para a correção da tarifa neste 4º ciclo da Revisão Periódica da Energisa Paraíba são a aquisição de energia e o pagamento de indenizações às transmissoras como determinado pelo governo federal. Os dois itens compõem a PARCELA A, que são os custos não gerenciáveis pela distribuidora, e correspondem a 10,3%, ou seja 70% do índice autorizado pela Aneel.

 A ilustração abaixo apresenta a divisão da fatura de energia elétrica em cada um dos itens que compõem a cadeia do setor, considerando a receita da concessionária acrescida dos impostos e tributos (ICMS, PIS/COFINS). A tarifa final do consumidor da Energisa Paraíba contém 39,02% de encargos e impostos.

A parte que cabe à distribuidora de energia representa apenas 26,39% da composição da tarifa. É com essa parcela que empresa distribui energia a todos os clientes, paga e capacita  funcionários, mantém e amplia a rede e os sistemas elétricos, além de investir na modernização e melhoria crescente da qualidade dos serviços prestados. Nos últimos quatro anos, a Energisa Paraíba investiu cerca de R$ 600 milhões em obras e manutenção do sistema elétrico. Foram construídas três subestações, ampliadas outras sete, além da construção de 84 km de linhas de distribuição de alta tensão.

A Revisão Tarifária Periódica é um processo regulado pela Aneel, prevista no contrato de concessão da empresa que apresenta regras bem definidas a respeito das contas de luz, assim como a metodologia de cálculo dos processos tarifários. Pela norma, o valor da tarifa é reajustado anualmente – o chamado Reajuste Tarifário Anual – e a cada quatro anos, no processo de Revisão Tarifária Periódica.

Comparando os ajustes na tarifa da Energisa Paraíba com a inflação do período, verifica-se que eles sempre estiveram abaixo dos índices. Confira:

A Energisa Paraíba é responsável pela distribuição de energia a 216 municípios do estado, totalizando 1,39 milhão de unidades. Em 2017, a empresa foi considerada a melhor empresa de distribuidora de energia do Brasil pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee). A pesquisa apura também a satisfação dos mais de 4 milhões de paraibanos sobre o serviço prestado e, na opinião de 83,8% de seus clientes, a empresa presta um excelente serviço de distribuição de energia (Índice Satisfação da Qualidade Percebida – ISQP).

Foto: Walla Santos
Clickpb